Espaço de debate de temas de Economia Portuguesa e de outros que com esta se relacionam, numa perspectiva de desenvolvimento

terça-feira, janeiro 02, 2007

Destaques noticiosos do fim-de-semana

Défice da Administração Pública excedeu limites do PEC em 2001, 2004 e 2005
"O Anuário Estatístico de Portugal de 2005 publicado hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mostra que, da análise da receita das Administrações Públicas, os impostos sobre a produção e a importação, e as contribuições para a Segurança Social foram as componentes com maior peso no PIB no ano de 2005."
/...
Portugueses mais debilitados face a nova subida dos preços [http://www.publico.clix.pt/Economia/noticia.asp?id=1280997] (29-12-06, in Público)
"Menor capacidade para consumir ou para poupar e maior dificuldade para gerir as dívidas contraídas junto da banca. É este o panorama que a generalidade dos portugueses terá de enfrentar a partir do dia 1 de Janeiro."
/...
Economistas dizem que 2007 será ano de recuperação económica [http://www.jornaldenegocios.pt/default.asp?Session=&SqlPage=Content_Economia&CpContentId=288092] (29-12-06, in Jornal de Negócios)
"Portugal deve manter em 2007 a tendência de recuperação económica, com o investimento a regressar ao crescimento e as exportações a permanecerem fortes, segundo a opinião dos economistas ouvidos pela Lusa."

1 comentário:

Clara Rosa disse...

Realmente preocupada…
Depois de ler o segundo artigo do público, foi assim que fiquei, e acho, que qualquer um ficaria.
Só posso perguntar que fazemos? Com tudo a subir, mesmo os bens essenciais, só os salários a descer, que posso dizer? Será que estamos perante uma crise de moral? Falta de incentivos ao trabalho, será que os Portugueses não se estão a esforçar ao máximo, ou pior estão a fazê-lo mal. Este é o único cenário possível.
Também, muitas vezes me questiono, pode-se dizer que estamos a viver mal, pelos dados o incumprimento das obrigações aumentam, e porque não pedirmos explicações ao Governo. Sim, onde eles estão a cortar é no mais fácil, pois neles não vejo nada. Tantas manifestações se fazem, ou por causa do clube, ou por causa dos direitos dos animais, e para viver condignamente, não nos mexemos? Aceitamos tudo, como dados adquiridos?
A minha opinião é mesmo esta, sei que o Estado está a fazer o que tinha de ser feito, era preciso aumentar receitas, e reduzir despesas, mas o que revolta é ver que nos grandes nada muda, sacrifícios são para os outros.
Temos muito que trabalhar…