Espaço de debate de temas de Economia Portuguesa e de outros que com esta se relacionam, numa perspectiva de desenvolvimento

sábado, dezembro 16, 2006

Modelos de crescimento de Portugal: qualidade ou quantidade?

A par dos Tigres Asiáticos, da Espanha e da Irlanda, Portugal foi uma das poucas economias que, nas últimas quatro décadas, emergiu como economia desenvolvida.
A economia portuguesa funcionou, durante muitas décadas, segundo uma lógica proteccionista protagonizada por um Estado que não se limitava a ter uma função reguladora do funcionamento do sistema económico mas que assumia, claramente, uma postura voluntarista de grande envolvimento, condicionando, quase sempre, o potencial do mercado enquanto mecanismo de afectação de recursos. A liberalização progressiva do comércio internacional e dos movimentos de capitais, o aprofundamento e consolidação do mercado único, a criação da União Económica e Monetária e até os progressos verificados nos transportes e nas tecnologias da informação contribuíram para reforçar e acelerar o processo de integração internacional em curso da economia portuguesa. Os choques decorrentes das sucessivas vagas de internacionalização da economia portuguesa foram apenas parcialmente absorvidos pelo nosso tecido produtivo, estando ainda a decorrer o correspondente processo de ajustamento e reestruturação industrial.
A evidência empírica existente sugere que, nos últimos 15 anos, o processo de crescimento da economia portuguesa foi devido a uma utilização intensiva dos factores produtivos e não ao aumento da eficiência global do sistema. Esta aposta na quantidade, em detrimento da qualidade, está a conduzir a uma situação de rendimentos marginais decrescentes que tornará o actual modelo de desenvolvimento não sustentável. Aliás, a evolução recente da economia portuguesa tem sido muito marcada por linhas tendenciais que permitem validar esta percepção da realidade económica e social portuguesa como: a existência de uma taxa de desemprego consideravelmente baixa (chegando mesmo na década de 90 a encontrar-se numa situação de pleno emprego), um saldo da Balança Corrente e, em particular, o Saldo da Balança de Mercadorias têm vindo a sofrer uma degradação nos últimos anos, uma taxa de crescimento da produtividade da indústria transformadora tem sido menor do que a dos nossos parceiros comerciais e também bastante menor do que a taxa de variação dos salários. Um pouco em resultado de tudo isto, as margens de lucro no sector exportador têm tido uma evolução negativa, o crescimento tem sido “puxado” pelos sectores produtivos com menor conteúdo de inovação e mais baixa produtividade.
A evidência empírica existente para a economia portuguesa, para as últimas décadas, sugere, de algum modo, que a estratégia de desenvolvimento da nossa economia foi muito sustentada na quantidade e não na qualidade dos recursos utilizados. A performance actual da economia portuguesa indicia que o actual modelo de crescimento extensivo mostra sinais claros de esgotamento. Com efeito, estando numa situação em que a taxa de desemprego é baixa, a manutenção do mesmo modelo de crescimento só pode resultar no agravamento dos desequilíbrios externos ou no aumento da inflação. É, por isso, necessário passar de um modelo de crescimento extensivo, muito marcado pela aposta na quantidade e na realização de “mais do mesmo”, para um modelo de crescimento intensivo em que o objectivo é claramente produzir mais, mas sobretudo, produzir melhor, com mais qualidade e mais rápido.

Daniel Alves Maciel

(doc. da série artigos de análise/opinião)

2 comentários:

Anónimo disse...

Portugal teve um bom início, mas não seguiu nem aproveitou o lançamento doutras economias como por exemplo o da Irlanda.
De facto, Portugal alcançou rapidamente um nível considerável de desenvolvimento, no entanto, este não foi atingido de uma forma sustentada. Como em quase tudo, na economia também está presente o espírito português do desenrasque. O que importa é ultrapassar as dificuldades no presente, sem ter em conta os efeitos futuros de determinada decisão.
As políticas levadas a cabo pelos sucessivos governos não seguiram um planeamento estruturado (que deveria ser continuo), que a longo prazo produzisse, o tal, crescimento sustentado. Ao olhar para as últimas duas décadas, fica visível que muito mais podia ter sido feito. Quando se fala em tomar determinada decisão, já era tempo de se estar a tirar proveito dela.
Foram muitas as mudanças da conjuntura nacional e internacional, como tal, é necessário ser competitivo (ao nível privado e público) para se conseguir “sobreviver” num mundo cada vez mais globalizado e onde só resistem os verdadeiramente bons.

Diana Barbosa

S-Girl disse...

Portugal ainda vinga alguns problemas estruturais do passaso e que é preciso esforço para ultrapassar. De facto, embora seja considerada uma economia desenvolvida muito á a fazer para que o seja na prática também. Sendo um pais que concorre num mercado europeu de bens e serviços encontramos-o no que toca a aspectos menos positivos na cauda da europa, muito há a fazer para que seja verdadeiramente um concorrente em linha horizontal com os seus parceiros eu ropeus, quanto mais mundiais. Apesar de tudo acredito que vamos superar os problemas estruturais e que iremos fazer esforços para tal, afinal de contas faz pouco mais de trinta anos que eramos um pais intovertido e "orgulhosamente sós" e hoje somos uma economia importante. o desenvolvimento é um projecto em constante construção.

Fátima Couto nº 40319